A influência dos “apegos” nas transições


Depois de assistir a um vídeo de liderança muito inspirador do Sion Sinek (* você pode conferir depois), eu quis escrever sobre o conceito de apego e como a consciência sobre esse tema pode nos ajudar num processo de mudança.


"O apego limita a nossa visão e assim não somos capazes de ver as coisas de uma perspetiva mais ampla." Dalai Lama


É realmente difícil fazer uma mudança ou se estabelecer em um novo lugar/situação quando ainda estamos tão ligados às vidas, coisas, ideias e pessoas com quem costumávamos conviver.


É mais fácil entender o conceito de “apego” relacionados a coisas materiais. Desde criança já vamos criando apegos, por exemplo, estabelecemos um link emocional com alguns de nossos brinquedos e à medida que nos tornamos adultos escolhemos nossas próprias coisas que também são difíceis de “soltar” e ficaríamos realmente chateados se as perdêssemos.


Entretanto, podemos não notar ou ter consciência do quanto estamos apegados a ideias e crenças que vieram através de condicionamentos ao longo de nossas vidas – uma vez que a maioria de nós age em piloto automático.


Por exemplo, você pode ser criado em uma família que durante o jantar, os meninos ficam sentados à mesa esperando a comida e as meninas são as que colocam a mesa, servem os pratos e depois limpam tudo. Portanto, sem ter consciência; se você é uma menina, você pode pensar que é sua obrigação limpar e servir os homens em geral e faria isso toda a sua vida a menos que você comece a questionar o fato. E, se você é um homem, você adotaria o hábito de ser servido e não limpar, pois não era sua obrigação fazê-lo.

Este é um exemplo simples de um processo de "domesticação" em que você pode ou não se apegar a esta crença.


Outro exemplo, você pode ser criado em uma família que tem uma certa tradição e fortes crenças religiosas e devido a este processo de "domesticação" você pode acreditar que apenas o que você aprendeu é a maneira "correta" de viver e enxergar o mundo; a aceitação de si mesmo e dos outros pode ser afetada por isso.


Então, se alguém tem uma perspectiva diferente da sua e você está tão ligado à sua crença, você pode julgar automaticamente a outra pessoa e nem mesmo estar aberto a ouvir um ponto de vista diferente. Se estamos tão ligados às nossas próprias crenças, podemos não estar vendo outras oportunidades possíveis que poderiam estar disponíveis para nós.



Meu ponto é que todas essas ideias e crenças fazem parte de quem somos e se escolhemos nos identificar totalmente com elas, isso pode impactar nossa auto importância e autoestima.


Portanto, em um processo de transição, é muito importante identificar nossos apegos mais fortes. Podemos começar com coisas materiais que podem ser mais fáceis de serem identificadas e passar para as crenças que podem estar nos impedindo de construir e de caminhar na vida.


Um possível exercício para ajudar nesse processo e aumentar a conscientização é:


- Faça uma lista das coisas materiais que você ficaria louco caso perdesse e escolha uma.

  • Esta coisa se relaciona com sua personalidade?

  • Seu senso de valor?

  • Que sensação de segurança esse item lhe dá?

  • Como isso infla o seu ego e porque é tão importante para você?


- Explore suas emoções.

  • Como seria sua vida sem este item?

  • Quem você seria sem ele?


- Agora, pense em algumas crenças fortes que você tem sobre a vida ou sobre si mesmo.

  • Essa crença está fazendo você jogar de forma pequena?

  • Você alterou seu comportamento por causa dessa ideia?

  • Quanto você julga os outros quando eles não pensam o mesmo que você?

  • Você está ligado a um papel particular que desempenha?


- Mais uma vez, pergunte a si mesmo:

  • Quem você seria se não se apegasse à ideia/papel que você tem?

  • Como isso afeta sua liberdade pessoal?


A maioria das pessoas descobrirá que existem diferentes níveis de apegos de acordo com a situação/coisas. Não há resposta certa ou errada.

E a maioria das pessoas, incluindo eu, sentiria talvez medo ou até mesmo dor ao imaginar perder as coisas que temos um elo forte. Isso é normal.


A questão é:

Você pode se desapegar de algumas dessas coisas e ideias?

A escolha é só sua.


Pelo simples fato de estarmos ciente de nossos próprios apegos, isto libera o poder que eles têm sobre nós e por isso podemos estar mais abertos a ver as coisas com outra perspectiva.


Todos nós vamos morrer um dia, nada dura para sempre.


A vida é uma mudança constante.

Fazendo este exercício acima, você pode descobrir que liberando alguns desses apegos:


  • você é muito mais do que as coisas, ideias e papéis que você está ligado,


  • não importa onde você está vivendo ou o papel que você está desempenhando neste momento; você pode realmente desfrutar de cada fase de sua vida.


  • você também pode descobrir o que realmente importa para você e quais são seus “presentes” que você pode oferecer ao mundo - sua autenticidade realmente pode florescer!


A mudança de país para mim foi muito difícil no começo pois eu era muito apegada a muitas coisas: meu apartamento que fiquei anos para planejar, meu emprego que amava e me enchia de orgulho; achar que papel de dona de casa não tinha valor; etc...


No entanto, com o passar do tempo, eu tive a oportunidade de me redescobrir e encontrar outros valores, ter um novo olhar, inclusive mais amoroso comigo mesmo e com as outras pessoas e culturas; julgar menos e ser mais empática. Mas, sobre isso, quero escrever num próximo capítulo!


Então, quão aberto você está para pensar a respeito dos seus apegos e seguir adiante?



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo